Menu Mobile LOJA ONLINE
Loja online Facebook Newsletter

Projeto transforma lama de rompimento de barragem em tijolos para a reconstrução de Mariana

Em Apr 18, 2016 9:21:47 AM

"Rompimento das barragens em Mariana inunda cidade."

"Enxurrada de lama devasta comunidade."

"O maior desastre ambiental da história do Brasil."

Basta uma olhada rápida nos noticiários para entender que a situação em Mariana (MG) está longe de ser solucionada. O desastre ambiental provocado pelo rompimento das barragens destruiu grande parte das comunidades locais e provocou consequências imensuráveis.

Mas, a mesma lama que foi responsável pela destruição é hoje a matéria-prima de um grupo de pessoas que não esperam sentadas por respostas, seja do governo ou das empresas responsáveis: com a mão na massa, eles utilizam a lama para fazer tijolos artesanais que serão utilizados na reconstrução das casas.

Image title


O projeto Tijolos de Mariana pretende "acelerar o renascimento da região atingida, limpando a área, devolvendo empregos, reconstruindo moradias, centros de saúde e educação, e gerando renda às comunidades locais."

Em parceria com a Grey Brasil, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Laboratório de Geomateriais e Geotecnologia da EEUFMG, a iniciativa produz cerca de 1000 tijolos por mês desde que iniciou o seu trabalho, em janeiro.

Para aumentar ainda mais a produção, eles iniciaram uma campanha definanciamento coletivo para viabilizar a construção de uma fábrica que irá aumentar a elaboração dos tijolos em escala industrial.

A expectativa é de que, ao final de cada ano, mais de 1 milhão de toneladas de lama sejam retirados do local, produzindo uma quantidade de tijolos suficientes para reconstruir mais de 1.200 casas populares, hospitais e escolas da região.

Image title

Além de limpo e atóxico, o Metakflex, composto gerado a partir da lama de Mariana, produz tijolos impermeáveis e até 7 vezes mais resistentes do que o tijolo de barro comum. Os tijolos de Mariana são testados e aprovados para a construção civil.

Fonte: HuffPost Brasil  |  DeAna Beatriz Rosa